17
Nov 12

 crédito da foto: Period Films&C.

 

 

Jane Eyre é possivelmente um dos livros mais adaptados da história da televisão e cinema. Contudo, não existe uma única adaptação que seja apontada pelos fãs como definitiva ou até mesmo perfeita. Todas elas contém falhas umas mais graves do que outras. Contudo, desde que estreou em 2006 esta adaptação rapidamente conquistou os fãs do livro e estabeleceu-se como uma favorita.

Produzida pela BBC e com um total de 4 episódios, esta é a adaptação que consegue duas coisas que poucas até aqui tinham conseguido: uma Jane perfeita e uma química extraordinária entre esta personagem e o Sr. Rochester. Desde esta altura que tenho acompanhado a carreira da Ruth Wilson e do Toby Stephens e nenhum deles conseguiu tanta química com outros pares que entretanto foram arranjando noutros trabalhos. Há nas cenas entre Jane e Rochester, toda uma troca de olhares, de pequenos sorrisos e uma cumplicidade que faz o espectador acreditar que eles estão apaixonados um pelo outro. Jane Eyre é uma obra que vive essencialmente de duas coisas, uma é personagem Jane e toda a sua etapa de vida desde que a conhecemos em casa da sua tia Reed e o relacionamento entre Jane e Rochester. O resto, embora tenha alguma importância apenas serve para ir alimentando o leitor ou espectador enquanto espera por uma nova cena entre Jane e Rochester.

 

Sandy Welch, responsável pela adaptação, conseguiu ser fiel à obra que Charlotte Brontë escreveu, no entanto alterou muito dos diálogos, sem no entanto fugir aquilo que é dito no original, no fundo ela acabou por modernizá-los. Outra novidade que esta adaptação tem é incluir a cena da cigana de forma alterada e fazer a cena da carruagem, coisa que não acontece em mais nenhuma adaptação. Por ter 4 episódios a série também reflecte nas diferenças entre as irmãs Reed, inimigas declaradas e nas irmãs Rivers, amigas e confidentes. A duração também permite termos uma melhor visão da família Rivers e principalmente de St. John. No entanto, falha na infância de Jane que é como na maioria das outras adaptações apressada. Saliento ainda que a adaptação consegue trazer o aspecto gótico para o ecrã e toda a desconfiança que Jane alimenta em relação a Grace Poole.

 

Falar desta adaptação não é muito fácil para mim, descobria numa pesquisa depois de ter visto a adaptação de 1943 e ter ficado encantada com a história de menina órfã e mal-amada. Na altura estava a ser emitida no Reino Unido e eu sabia que dificilmente seria emitida aqui, tal é escassez de séries deste género na nossa televisão, panorama que de resto não mudou, nem com todo o sucesso que Downton Abbey tem vindo a ter. Acabou por ser emitida dois anos depois, em 2008, quando já tinha corrido o mundo inteiro.

Até ao dia em que pude finalmente ver em dvd, devorei vídeos de algumas cenas, vídeos de música e imagens que encontrei na net. Receei que pudesse vir a estragar o visionamento, mas isso não aconteceu quando vi tudo foi amor à primeira vista e depois disso vi esta adaptação muitas vezes, com pouco espaço de tempo entre visualizações, e nunca me cansei.

 

Para terminar, deixo-vos um vídeo que promoveu na BBC esta série. Para quem não sabe o nome da música usado, é You Never Know dos Goldfrapp.

 

 
 

publicado por Vera às 15:49

Eu li o livro e depois vi a série. Acho que Ruth e Toby conseguiram captar a alma dos seus respectivos personagens. Eu sempre digo que Ruth conseguiu ser como a Jane é no livro, assim como Toby Stephens que conseguiu interpretar conforme todas as nuances do personagens, afinal de contas a própria Jane diz que ele é inconstante, alternava momentos felizes, sombrios, apaixonados e até mesmo engraçados! Tudo contribuiu para que se tornasse a melhor adaptação e mesmo com a alteração de alguns dálogos, no final das contas, como vc bem falou, eles apenas foram modernizados, Sandy Welch não alterou o sentido desses diálogos. A adaptação permaneceu fiel ao livro. Outro ponto fortíssimo é a química entre eles, que apenas com a troca de olhares a gente já percebia o que eles estavam sentindo, acho que é isso que é bonito na história, eles se falavam "pelo olhar" tamanha era a cumplicidade entre os dois. Eu também já vi váaaaaaaaaarias vezes e não consigo me cansar de ver! Jane Eyre se tornou meu livro favorito e meu filme favorito também!
Vanessa Ferreira a 5 de Março de 2013 às 16:00

Olá Vanessa

estou neste momento a reler o livro e tenho-me apercebido do quanto a adaptação de 2006 consegue ser fiel ao livro. Uma boa maioria das pessoas acha que não, pelo menos é a ideia que tenho de comentários que venho lendo desde que vi. tirando os diálogos e algumas cenas é possivelmente uma das adaptações mais fieis que já se fizeram.

Obrigada pelo comentário
Vera a 5 de Março de 2013 às 16:18

Que blog bacana, sobre escritores clássicos! Eu adoro o romance Jane Eyre, é um dos meus prediletos. Vi a série mencionada no post pelo You Tube e gostei muito também. Vi também o filme de 2011 e simplesmente amei.
Michele Maximiana a 6 de Abril de 2013 às 01:01

pesquisar
 
Posts mais comentados
7 comentários
6 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
Visitas
web counter free
blogs SAPO